CapaCapa
TextosTextos
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Adriane Neves
Minha árvore com seus galhos poéticos.
Textos

Torneira aos prantos
A pele seca do sol
Tanto cansaço
Idas e vindas do varal
Lençóis pesados-passados
Esquece a torneira aberta
Porque é a única forma de esvaziar o choro
Esfrega o pesado pano
E ali a torneira aos prantos
A te esvaziar
Presentearam- te com uma máquina de lavar
Mas e agora, como iria chorar?
Foi-se para debaixo da amendoeira com o gadanho em mãos
Para varrer do chão o choro das árvores
E todos os dias
Acendia uma vela e rezava
Para que outro vendaval voltasse
Para ela ter por onde chorar
Adriane Neves
Enviado por Adriane Neves em 10/01/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários